Tratamento para Menopausa 100% Natural

Conheça os ingredientes bons e ruins que ajudam ou prejudicam o tratamento da menopausa. Faça a escolha certa!

Nesse artigo você conhecerá dicas para tratamento para menopausa e várias informações sobre procedimentos naturais que ajudam a combater os sintomas e os piores alimentos que agravam a menopausa.

Tratamento natural para menopausa

Fizemos um artigo recomendando o melhor medicamento para menopausa que não possui efeitos colaterais. Naquele artigo a recomendação foi essa aqui.

Agora vamos falar sobre os melhores e piores alimentos para a menopausa.

1. Alimentos que ajudam a gerenciar os sintomas da menopausa

Ao tentar equilibrar os hormônios e reduzir os sintomas da menopausa, sua dieta deve incluir uma abundância de minerais essenciais e gorduras saudáveis.

Tenha em mente que você precisará consumir menos calorias em geral para manter seu peso à medida que envelhece.

Devido a uma diminuição da massa muscular e à desaceleração do seu metabolismo, é mais importante do que nunca limitar os alimentos processados ​​e se concentrar em comer uma dieta saudável.

Os alimentos que podem ajudar a gerenciar os sintomas da menopausa incluem:

 

  • Frutas e vegetais orgânicos:

    Estes contêm fibra dietética para gerenciar seu apetite, antioxidantes para retardar o processo de envelhecimento e fitosteróis que podem ajudar a equilibrar os hormônios.

  • Legumes cruciferantes:

    Vegetais na família cruciferante, como brócolis, repolho e couve, contêm indol-3-carbinol, o que, naturalmente, ajuda a equilibrar os níveis de estrogênio.

  • Estes vegetais também são elevados em fibra, vitamina C, vitamina K e eletrólitos que são importantes para a pressão arterial e saúde cardíaca.
  • Alimentos com fibras elevadas:

    a fibra é importante para a saúde cardiovascular e digestiva, além de manter um peso saudável. Alguns estudos descobriram que dietas mais altas em fibras podem ajudar a equilibrar a produção de estrogênio.

    As dietas com fibras elevadas estão associadas a menos ganho de peso, níveis mais saudáveis ​​de colesterol e constipação reduzida.

    Algumas das melhores fontes incluem nozes, sementes, legumes/feijões, grãos antigos, abacate, vegetais e frutas.

  • Natto:

    Soja fermentada como natto contém um fitoestrógeno que pode ajudar a equilibrar os hormônios. No entanto, evite isso se você teve câncer de mama positivo ao estrogênio no passado.

  • Alimentos de fitoestrogênio:

    Os fitoestrógenos são estrogênios à base de plantas que podem imitar os efeitos dos hormônios naturais que seu corpo produz. Seus efeitos são controversos, então a pesquisa sobre seus benefícios ou riscos pode ser esmagadora e conflitante.

    No entanto, uma grande variedade de estudos provaram que esses estrogênios alimentares realmente ajudam algumas mulheres durante a menopausa, reduzindo o risco de câncer, reduzindo os flashes da noite, protegendo o coração e reduzindo o estrogênio natural, a sentir-se menos drástico.

  • Gorduras de ômega-3:

    Gorduras de ômega-3 de peixes e sementes de linhaça podem proteger o coração, promover a pele lisa e ajudar a neutralizar a inflamação de gorduras ômega-6 (encontradas principalmente em óleos refinados e carne de baixa qualidade).

    Algumas das melhores fontes incluem salmão selvagem, sardinha, cavala e anchovas. Estudos mostram que o consumo freqüente de ômega-3 facilita a produção hormonal e pode ajudar a prevenir a pré-eclâmpsia, depressão pós-parto, problemas na menopausa, osteoporose pós-menopausa, complicações cardíacas, depressão e câncer de mama.

  • Gorduras saudáveis ​​e óleos prensados ​​a frio:

    É verdade que as gorduras têm mais calorias do que as proteínas ou os carboidratos, mas também são os blocos de construção para a produção hormonal, mantêm os níveis de inflamação baixos, aumentam o metabolismo e promovem a saciedade que é importante para prevenir o aumento de peso.

    Óleos não refinados fornecem vitamina E essencial que ajuda a regular a produção de estrogênio. Procure óleo de coco virgem, óleo de palma, azeite extra virgem e óleo de linhaça.

    Outras fontes de gorduras saudáveis ​​incluem abacate, leite de coco, nozes, sementes e frutos do mar selvagens.

  • Alimentos probióticos:

    Os probióticos são bactérias saudáveis ​​que realmente podem melhorar sua produção e regulação de hormônios-chave como insulina, grelina e leptina.

    Eles são até capazes de aumentar a função imune e proteger o funcionamento cognitivo. As melhores fontes incluem iogurte, vegetais cultivados, como chucrute ou kimchi, kombucha e outros alimentos fermentados.

  • Água:

    Tomar 8 copos diariamente para ajudar a substituir o líquido perdido por ondas de calor e diminuir a inchaço.

2. Alimentos que tornam a menopausa mais grave

  • Alimentos embalados:

    A maioria dos alimentos processados/embalados contém açúcares adicionados, conservantes químicos, grandes quantidades de sódio, toxinas e aditivos sintéticos. E isso prejudica qualquer tratamento para menopausa.

    Muitos desses alimentos são tipicamente ricos em carboidratos que podem causar desequilíbrios hormonais piorados e podem conter ingredientes que sejam tóxicos para o fígado.

  • Carne convencional:

    Carne cultivada, bem como aves de capoeira(aves de criação) podem conter hormônios adicionados que podem causar problemas, incluindo inflamação aumentada.

    Certifique-se de escolher proteínas animais sem hormônios, alimentadas com pastagem, sem gaiolas ou com capim, sempre que possível.

    Comprar carne orgânica, ovos, produtos lácteos e aves de capoeira é outra camada de proteção que garante que você não consumirá antibióticos e hormônios adicionados.

  • Açúcar adicionado:

    Alta ingestão de açúcar adicionado pode causar ganho de peso, problemas digestivos, desequilíbrios hormonais mais agudos e candida, aumento de ondas de calor e outros sintomas.

  • Óleos refinados e alimentos fritos:

    Os alimentos preparados em óleos vegetais altamente processados ​​(óleo de girassol, milho, cártamo, soja ou canola, por exemplo) são ricos em gorduras ômega-6 que podem contribuir para a inflamação e outros problemas de saúde.

    Os alimentos fritos também estão ligados a problemas cardíacos, ganho de peso, diabetes e deficiências cognitivas.

  • Bebidas carbonatadas:

    O refrigerante carbonatado ou outras bebidas podem esgotar o corpo de cálcio e contribuir para a osteoporose, perda óssea e problemas dentários.

  • Álcool:

    Muitas mulheres acham que beber mais do que quantidades “moderadas” de álcool podem agravar os fogachos e contribuir com ganho de peso.

Reduza e gerencie o estresse:

Muitas mulheres experimentam maior ansiedade, mau humor e até episódios de depressão durante os anos da menopausa.

Gerenciar o estresse em sua vida é uma maneira importante de reduzir comportamentos ou sintomas como alimentação emocional e ganho de peso, fadiga, diminuição do sono e baixa libido.

Algumas formas eficazes de aliviar o estresse incluem:

  • exercício
  • meditação
  • acupuntura
  • aromaterapia
  • passar tempo na natureza
  • promover relacionamentos próximos
  • oferecer e dedicar tempo a práticas espirituais.

Óleos essenciais para gerir sintomas de menopausa

O óleo de sálvia do clínico é o óleo essencial mais efetivo para equilibrar hormônios. Pode ajudar a oferecer alívio dos sintomas da menopausa, incluindo aumento da ansiedade e ondas de calor.

Além disso, o óleo de camomila romano reduz o estresse, o óleo de hortelã-pimenta pode ajudar a resfriar o corpo dos fogachos e o óleo de tomilho pode ajudar a equilibrar os hormônios naturalmente.

Para usar estes óleos essenciais em casa, compre um óleo de grau terapêutico/puro nas lojas físicas ou online. Esfregue 3 gotas do óleo escolhido no topo dos pés e traseiro no pescoço 1-3 vezes ao dia.

Você pode combinar qualquer óleo essencial com um óleo transportador como jojoba ou óleo de coco para diluir sua força e diminuir a sensibilidade da pele.

Exercício físico regular

É importante para gerenciar vários fatores de risco associados a complicações da menopausa, incluindo tornar-se excesso de peso ou obesidade, ter altos níveis de inflamação, dormir mal, sofrer perda óssea ou perda de músculo e lidar com o estresse crônico.

Certos estudos descobriram que, mesmo que você não tenha sido muito ativo no passado, iniciar uma rotina de exercícios consistindo em treinamento aeróbico e treino físico, pelo menos três vezes por semana durante 12 semanas, pode resultar em melhorias na qualidade do sono, insônia e depressão.

Recomenda-se participar de dez a trinta minutos de atividade aeróbia a maioria dos dias da semana, inclusive sob a forma de treinamento de intervalo de alta intensidade (HIIT), como o treinamento de explosão, isso fortalecerá seus ossos, ajudará a evitar o ganho de peso e preservar a inclinação Massa muscular, o que pode reduzir o risco de osteoporose e obesidade.

Durma mais

Estudos mostram que o estresse excessivo e o sono fraco estão ligados a níveis mais altos de cortisol da manhã, imunidade diminuída, problemas com o desempenho do trabalho e maior susceptibilidade à ansiedade, aumento de peso e depressão.

Para permitir que seu corpo se recupere do estresse, controle seu apetite e melhore a energia, procure obter 7-9 horas de sono todas as noites.